A Fiscalização do Exercício Profissional

A Fiscalização do Exercício Profissional é meta prioritária dos Conselhos Regionais de Contabilidade, senão razão fundamental de sua existência.

O não desenvolvimento dessa função pelo órgão, tem por consequência:

  • Desgaste da imagem da profissão, pela proliferação de irregularidades no seu exercício;
  • Desvalorização da classe, pela invasão de leigos e elementos inabilitados e pela concorrência;
  • Insatisfação no meio profissional, pela propagação da ideia de que o CRC tem por finalidade arrecadar verbas para desenvolvimento de um processo de auto gerência, tão somente;
  • Presunção de inutilidade do CRC, pela falta de projeção de suas finalidades;
  • Desmotivação do profissional para o pagamento de suas anuidades, por não perceberem objetivos nessa contribuição;
  • Arrecadação reduzida, quer pelo crescimento do somatório das anuidades em atraso, quer pela maior facilidade de trabalho sem registro;
  • Possibilidade maior de prejuízo a terceiros, pela ação de contabilistas profissionalmente incapazes, omissos ou negligentes;
  • Degeneração progressiva da harmonia profissional, pela proliferação de procedimentos antiéticos na competição pela arregimentação de clientes.